terça-feira, 26 de março de 2013

O retorno do Rei e os seus três recepcionistas.


2 Samuel 19.15 “Então, o rei voltou e chegou até ao Jordão; e Judá veio a Gilgal, para ir encontrar-se com o rei, à outra banda do Jordão.”


             O cenário é de um dia após a batalha. Definido em versículo anterior como a vitória que se tornou, naquele mesmo dia em tristeza. Os inimigos do rei haviam sido derrotados, uma vitória para ser celebrada, a não ser por um detalhe, um dos inimigos era filho do rei. Os combatentes felizes pela vitória, enquanto que o rei chorava pelo final trágico do filho. A batalha cessara, e era hora do querido rei voltar à Jerusalém. O dia após a batalha marcaria o retorno do rei Davi à Santa Cidade. Na sua volta, o rei manda o alerta. Ele almeja ver aqueles que ele chama de meus irmãos, meus ossos e minha carne. Era para os anciãos de Judá recepcionar o rei.
               Um detalhe importante acontece aqui. Em seu retorno, o rei chega até o Jordão enquanto Judá veio a Gilgal. Observe que todos os homens de Judá espera o rei que ainda está no outro lado do Jordão. E é neste momento, conforme nos mostra os versos 16, 24 e 31, que apenas três destes homens vão além do povo e se apressam ao encontro do rei.
                O cenário é uma típica cena do Apocalipse. Após a batalha, alegrias de uns e tristezas de outros, o rei anuncia que está voltando. O povo o espera, enquanto três homens se adiantam e dão um passo a mais na direção do rei. Percebe a semelhança? Nosso Grande Rei também tem anunciado sobre sua volta iminente, e que acontecerá em meio às batalhas detalhadamente descritas no livro da Revelação. Aquele que será O Dia, também marcará alegria de alguns e tristeza, pranto e ranger de dentes para outros. E por último, o povo escolhido esperando seu retorno.
                Somente percebendo a semelhança entre o retorno do rei Davi à Jerusalém, e o retorno do Rei Jesus à sua Igreja é que podemos olhar com mais atenção à atitude dos três homens que se apressam para receber o rei. Eles se destacam e se diferenciam do restante do povo. E de um povo de milhares de pessoas, apenas o nome destes três são mencionados.
             Você que espera o retorno do Rei, eu te convido a meditar no perfil de cada um destes três homens. Eles fizeram algo a mais que o restante da multidão, eles se adiantaram ao encontro do rei. Permita que o Espírito Santo fale contigo, pois comigo, eu vi um pouco de mim em cada um dos três.

1.       Simei foi o primeiro daqueles que se adiantaram. Era da tribo de Benjamim. Uma das tribos que havia apoiado a rebelião de Absalão contra Davi. Um típico merecedor da condenação do rei. Simei era um traidor de Davi, e ainda junta toda sua casa, mais mil varões de sua tribo e atravessa o Jordão e faz o que ninguém fez. Simei, filho de Gera, se prostrou diante do rei, e faz uma confissão digna de ser exemplo para nós:
Não me impute meu senhor a minha culpa, e não te lembres do que tão perversamente fez teu servo, no dia em que o rei, meu senhor, saiu de Jerusalém; não conserve o rei isso no coração. Porque teu servo deveras confessa que eu pequei.”
Com uma confissão sincera dessa e mesmo com uns acusando Simei, o rei concede clemência. Com uma simples e direta declaração, o rei sentencia: Não morrerás. Sinceridade, arrependimento, confissão, humildade, quebrantamento são algumas virtudes de Simei. Um pecador traidor, mas que alcançou misericórdia e ouviu da boca do rei que não morreria. Seja um sincero-arrependido-confesso-humilde-quebrantado como Simei, e saiba que tu escutarás da boca do Grande Rei: Não morrerás!

2.       Mefibosete também desceu a encontrar-se com o rei. Havia feito voto, não fez a barba, não lavou as vestes e nem os pés desde o dia em que o rei saíra. Parece um voto bonito, mas a resposta do rei mostra a realidade: Por que não foste comigo, Mefibosete? As vezes, fazemos do nosso jeito, tentamos fazer direito, nos esforçamos naquilo que achamos que é o correto, mas um detalhe faz a diferença, seria a vontade do Rei?
Mefibosete fez do jeito que ele achava que seria o certo, mas a vontade do rei era outra. O rei queria Mefibosete por perto, seguindo-o.
Devemos sempre submeter nossas ações à vontade do Rei. Seja feita sua vontade assim na terra como nos céus, ainda deve ser nossa oração.
Mas tem algo em Mefibosete que agrada o rei. Quando recebe exortação, Mefibosete não faz “cara feia”, continua querendo estar com o rei. Quando o rei oferece terras, Mefibosete faz pouco caso e declara que prefere a presença do rei.
Se exortado ou em bonança, sempre continue preferindo o Rei!

3.       Barzilai também desceu de Rogelim e passou com o rei o Jordão. Não ficou em Gilgal com os outros de Judá. Barzilai, um gileadita, era mui velho, da idade de oitenta anos; ele tinha sustentado o rei. Imagina a cena: o rei atravessando o Jordão voltando para sua casa, após severa batalha e dias de fugas, todo Judá o aguardando em Gilgal, e acontece do rei parar tudo e passar sete versículos bíblicos num belo diálogo com Barzilai. Somente um homem com intimidade com o rei, poderia parar toda a cena para um momento de diálogo. Mesmo em avançada idade, sem mais o vigor da juventude, sem forças físicas, Barzilai, o fiel que sustentou o rei, foi honrado. E ainda teve uma súplica atendida pelo rei. A memória do nosso Rei é poderosa, jamais esquece daqueles que fazem algo por Ele. Ainda que sem força, como Barzilai, continue sendo fiel, pois para estes, o Rei aguarda preciosas honras.

A  atitude dos únicos homens de Judá e Israel que recepcionaram o rei nos ensina muito. Simei, o traidor arrependido. Mefibosete, o exortado fiel. E Barzilai, o frágil honrado. Três homens recepcionistas, três atitudes, três recompensas, três histórias distintas. Histórias que podem muito bem refletir atitudes de homens e mulheres de hoje, e para cada atitude, uma recompensa.
Tenha atitudes honrosas diante do Rei Jesus. Seja um recepcionista do Grande Rei. Não fique parado o aguardando, dê um passo a mais e vá ao encontro do Rei. Arrependimento, fidelidade diante da exortação e fragilidade confessada são ótimas virtudes para este encontro. Coloque estas virtudes em prática e seja um recepcionista do retorno do Rei.

Maranata, ora vem Senhor Jesus.
Bp Erisvaldo Pinheiro (ministrado em 13 de/04/2013)