segunda-feira, 29 de abril de 2013

João Batista e a geração da adoração contagiante


Uma geração que adora e contagia

E dar-lhes-ei meninos por príncipes, e crianças governarão sobre eles.

Pois eis que, ao chegar aos meus ouvidos a voz da tua saudação, a criancinha saltou de alegria no meu ventre.


     De tempos em tempos, Deus levanta uma nova geração:

  • Entre murmuradores Deus levanta uma geração de conquistadores; Do meio dos israelitas no deserto que murmuraram, o Senhor levantou uma nova geração para conquistar a prometida Canaã.
  • Entre soberbos Deus levanta uma geração de quebrantados; Ainda no primeiro reinado de Israel, Deus retirou seu Espírito do soberbo Saul e levantou o quebrantado Davi.
  • Entre sacerdotes ritualísticos Deus está levantando a Geração de João Batista. Numa época em que o ritual e as aparências prevaleciam ao culto sincero, Deus levantou um filho de sacerdote com a mesma unção de Elias. Também nos dias de hoje, onde o patrimonial tem sido mais valorizado que o espiritual, nosso Senhor quer levantar uma geração de adoradores que queiram contagiar aqueles que estão a sua volta.

     No Novo Testamento, Deus começa levantar uma nova geração. No Evangelho de Lucas, vemos o anjo Gabriel anunciando as boas novas a Zacarias e Maria. Um duvida, outra interroga, mas Deus cumpre seu propósito.

    Para compreendermos melhor a Geração de João Batista, vamos analisar a vida da voz que clama no deserto de traz pra frente:

  • Geração que prega a verdade – João viveu intensamente o ministério que Deus o confiou. Foi fiel até a morte. Não aceitou o pecado, não aceitou a normalidade do pecado. Tratou o pecado como Deus o trata. Vemos pessoas que aceitam o normal também, mas a geração que adora e contagia, não se deixa levar pelos ventos desta normalidade.

domingo, 28 de abril de 2013

A promessa de voar mais alto, como a águia.


O voo da águia é uma promessa de Deus para os que espera nEle.
"Não sabes, não ouviste que o eterno Deus, o SENHOR, o Criador dos fins da terra, nem se cansa nem se fatiga? É inescrutável o seu entendimento.
Dá força ao cansado, e multiplica as forças ao que não tem nenhum vigor.
Os jovens se cansarão e se fatigarão, e os moços certamente cairão;
Mas os que esperam no SENHOR renovarão as forças, subirão com asas como águias; correrão, e não se cansarão; caminharão, e não se fatigarão."
                                                                         Isaías 40:28-31

Estes versículos me consolam muito. Saber que o eterno Deus, o SENHOR, o Criador dos fins da terra (percebe a força desta descrição?), não se cansa nem se fatiga! Saber que o meu Deus Santo, não se cansa nem se fatiga de mim, pobre pecador. O Deus perfeito, Altíssimo e poderoso que não se cansa de mim, que sou falho, pequeno e fraco! Não entendemos o porque mesmo, de fato ele é inescrutável, não pode ser compreendido.

Ainda bem que Ele é assim, o Deus que não se cansa e ainda dá força ao cansado. E mais, ainda multiplica as forças ao que não tem nenhum vigor. É como se nosso Deus, além de não se cansar, ainda renova as forças dos seus cansados filhos. Ele não se cansa e nos ajuda também a não permanecermos cansados.

terça-feira, 23 de abril de 2013

O Senhor é meu pastor... então, devo ser sua ovelha.

O pastor e suas ovelhas. O Senhor tem sido nosso pastor e nós temos sido suas ovelhas?
O Senhor é meu pastor, nada me faltará. (Salmo 23.1)

Bp Erisvaldo Pinheiro Lima
Palavra ministrada em Fevereiro de 2008
Comunidade Evangélica Arca da Aliança


Uma passagem tão conhecida e que muito nos consola, nosso Salmo 23, de tão forte, que costumamos olhar apenas para a promessa, deixando a condição de lado. Afinal, nada nos faltará num momento de aflição é bem acalentador.

Aqui, proponho um olhar na condição. Para que o Senhor seja nosso pastor, devemos ser suas ovelhas. E sendo suas ovelhas, precisamos aceitar todo tratamento do pastor. O pastor é aquele que se dedica em domesticar, guardar e alimentar suas ovelhas. Veja que as lindas promessas do Salmo 23 são destinadas àqueles que são ovelhas do Senhor.


Por isso, pergunto: você tem sido ovelha de Deus? Veja as características das ovelhas e permita que o Espírito Santo fale contigo:


  1. Ovelhas são míopes: A média é de 7,5 graus de miopia. A visão não é seu forte. As ovelhas do Senhor também tem que reconhecer que não enxergam muito bem. Nossas escolhas são frutos do que enxergamos, como Samuel quando esteve de frente com o primogênito de Jessé e sentenciou certamente estamos de frente com o ungido do Senhor, quando na verdade o ungido seria o caçula. Precisamos de ajuda porque não podemos ver o mal que nos cerca, precisamos ser direcionados.
  2. Ovelhas escutam a voz do pastor: Por não enxergarem bem, as ovelhas são recompensadas com um audição peculiar, elas conseguem discernir a voz de seu pastor. Devemos também saber ouvir melhor. Saber diferenciar a voz do nosso Bom Pastor. Muitas vozes são direcionadas contra nós, vozes da própria carne, vozes de acusação, vozes daqueles que se apresentam como amigos (tipo os de Jó), tantas vozes que devemos apurar nossos ouvidos para discernirmos a voz do nosso Senhor, que nos direciona.

segunda-feira, 22 de abril de 2013

A cura antes da cura


A mulher do fluxo de sangue teve uma cura antes da cura
 Marcos 1,40-42

Imagine você mulher sofrendo por 12 anos seguindo de uma terrível hemorragia. Depois de gastar tudo que você tem e não ter nenhum prognóstico favorável para a sua cura, qual o sentimento que te resta? Desânimo.

  • 1. Cura do desânimo – A mulher do fluxo de Sangue (Marcos 5, 25-34)

As Santas Escrituras nos mostra a história de uma mulher que sofria de fluxo de sangue durante 12 anos. O desanimo já tomava conta da vida dela. Os costumes judaicos diziam que a mulher durante o período menstrual, era considerada maldita, imunda. Até os seus talheres eram separados. Então essa mulher estava a 12 anos sendo considerada impura, maldita. Os versículos 27 e 28 dizem que “Ela ouviu falar de Jesus”, e só por ouvir falar de Jesus o seu estado de ânimo mudou. Essa mulher que não podia interagir com outras pessoas devido o seu estado impuro foi revestida de certeza: “Seu eu tão somente tocar em tuas vestes serei curada”. E a cura do seu desânimo se mostra plena quando ela “encara” toda a multidão, correndo o risco de ser apedrejada e toca nas vestes do Senhor. Perguntando quem O tocou (v 31), Cristo recebe a resposta da mulher, que mesmo “tremendo e temendo” não se acovardou, mostrando verdadeiramente um novo ânimo. Hoje você está “ouvindo” falar de Jesus. O que ainda te prende em teu local de desânimo? O que te impede de crer e receber tua cura “tão somente tocando nas vestes” de Cristo? Talvez o pessimismo?

  • 2. A cura do Pessimismo O coxo do Tanque de Betesda(João 5, 1-9)

Havia um tanque em Jerusalém, onde “um anjo descia em certo tempo ao tanque, e agitava a água; e o primeiro que ali descia, depois do movimento da água, sarava de qualquer enfermidade que tivesse.(v. 4)”

Jesus chegou diante de um coxo e perguntou: “Queres ficar são?” (v.6)

E a única coisa que esse homem pode evidenciar foi um pessimismo, uma impossibilidade de receber sua vitória, sua cura. Uns afirmam que ele não reconheceu Jesus, o que não diminui em nada o fato. Temos um grande defeito: colocar Jesus, colocar o Poder de Deus no mesmo nível dos nossos problemas. É como se Deus estivesse disputando uma partida de futebol com o mal e se conseguisse vencer aos 45 minutos do segundo tempo e somente de 1 a zero. Deus é infinitamente superior aos nosso míseros problemas e Ele está ansioso para te abençoar. Você ainda está preso a argumentos como o do coxo de Betesda. “O enfermo respondeu-lhe: Senhor, não tenho homem algum que, quando a água é agitada, me ponha no tanque; mas, enquanto eu vou, desce outro antes de mim.” Você tem em sua vida Aquele que não precisa do poço para te curar. Creia sem reservas. O Teu Deus pode muito mais. “Ora, àquele que é poderoso para fazer tudo muito mais abundantemente além daquilo que pedimos ou pensamos, segundo o poder que em nós opera, (Ef 3:20)”

  • 3. Lugar certo e na hora certa – Aleijado (Lucas 5, 17-25)

Um jovem aleijado foi trazido por amigos à casa de Jesus. Como havia grande multidão dentro e ao redor da casa, ele para chegar perto de Cristo, precisou ser descido pelo telhado. Esse relato, pela solidariedade dos amigos em conduzi-lo é um destaque. Mas o objetivo é destacar o seguinte: “E aconteceu que, num daqueles dias, estava ensinando, e estavam ali assentados fariseus e doutores da lei, que tinham vindo de todas as aldeias da Galiléia, e da Judéia, e de Jerusalém. E a virtude do Senhor estava com ele para curar. (Lucas 5,17 sublinhado meu).”

Ninguém, nem Jesus, disse que estava ali para curar. Não tinha uma placa informando que ali estava acontecendo um culto de cura. Mas aquele jovem estava no lugar certo e na hora certa. Muitas vezes, depois de um dia tribulado, depois de muita chateação, achamos melhor ficar em casa do que ir para a igreja, para um grupo de oração, para a comunhão com os irmãos. E ai você não estará no lugar certo. Vença o seu desânimo e o seu pessimismo e se coloque no lugar certo na hora certa.

Pense nisso...


Agora encerrando com o texto referência: O leproso saiu do seu estado de desânimo e medo, que era muito maior do que da mulher de fluxo de sangue (a lepra era uma doença muito mais terrível e estava visível a todos), não viu impossibilidade de sua cura, ele venceu qualquer pessimismo, rogou, colocou-se de joelhos, estava no lugar certo, na hora certa. E finalmente usou da fé e disse as palavras certas: “Se queres podes me limpar.” Com essas palavras ele moveu a mão de Deus. Cristo respondeu: “Quero, sê limpo.”


Que todo o desânimo desapareça de sua vida, que todo o pessimismo caia por terra, e que você se coloque no lugar certo e na hora certa, e que use as palavras certas: “Cristo, se queres tudo será diferente em minha casa”, “Se queres terei meu casamento renovado”, “Se queres todos os meus serão alcançados”.


Que o Cordeiro Santo promova a cura na vida de todos!


Pr. José Roberto (Igreja Batista Resgate de vidas)
Sermão ministrado 21/04/2013 na Regional Recanto das Emas

domingo, 21 de abril de 2013

Elias e a intercessão em meio ao caos.

"E disse ao seu moço: Sobe agora e olha para a banda do mar. E subiu, e olhou, e disse: Não há nada. Então, disse ele: Torna sete vezes" (1Reis 18.43)


       Tragédias noticiadas a todo momento. Valores familiares ficando ultrapassados . Perseguição às verdades da Palavra... O nível espiritual de nosso tempo está cada vez mais decadente.
     Nesta mensagem, o nível espiritual de Israel também passava por uma decadência parecida. Quando a nação israelita fora dividida, o reino do norte teve seu primeiro rei por nome Jeroboão, que fez o que era mal aos olhos do Senhor levando o povo a se desviar dos princípios morais de Deus. Nadabe, seu filho, em seu segundo ano de reinado, fora assassinado por Baasa. Que por sua vez, no segundo ano de reinado de seu filho, Ela, também morrera numa conspiração liderada por Zinri. Quando o povo, ciente da tração, vai ao encontro do novo rei, Zinri se suicida queimando o palácio real. Nesta onda de traições e derramamento de sangue, Onri é colocado no trono e gera Acabe que o sucede.
     A palavra do Senhor relata que como se fosse coisa leve andar nos pecados de Jeroboão, Acabe ainda tomou por mulher a Jezabel, e serviu a Baal. Com estes perseguidores de profetas e adoradores de Baal, Israel chegara a um de seus piores níveis espirituais. É neste contexto que Deus levanta Elias, um homem de oração, em Israel.
     Estamos passando por semelhante crise espiritual. Profetas perseguidos. Valores bíblicos tornando-se ultrapassados. Mas, é nestes momentos de crises espirituais que o Senhor levanta homens de oração. A igreja passa por dias difíceis. Mas é nestes dias difíceis que o Senhor vai levantar profetas que não se contaminam com a sujeira que tem nos cercado.
     No capítulo dezoito do primeiro livro dos Reis, o profeta Elias se entrega totalmente à intercessão completa em três aspectos. E eu te convido a refletir nestes aspectos da intercessão e permitir Deus falar contigo. Lembre-se, em meio a qualquer caos que passamos, a intercessão é nossa esperança.

segunda-feira, 15 de abril de 2013

Começar, continuar e ir até o fim... fiel ao Senhor.

"E eis que, por ordem do Senhor, um homem de Deus veio de Judá a Betel; e Jeroboão estava junto ao altar, para queimar incenso". (1Reis 13.1)



Um homem de Deus, assim é definido o protagonista deste capítulo da história de Israel. Sem nome, como sinal de que o emissário do Senhor não deve ter seu nome em holofotes, pelo contrário, ele carrega o próprio nome do Senhor. O relato desse anônimo revela uma verdade atual. Muitos começam bem, mas não conseguem continuar bem. Outros continuam fiéis, mas não conseguem ir até o fim. Deixe o Espírito do Senhor falar contigo para você começar, continuar e ir até o fim debaixo da presença do Senhor.

  • Começar fiel.


Para entender a difícil missão desse homem de Deus, devemos lembrar que a nação de Deus havia sido dividida, ao sul, Judá com duas tribos, e ao norte, Israel com dez tribos. Roboão, filho do sábio rei Salomão, fora que causara essa divisão. Em vez de escutar os conselhos dos sábios, escutou dos jovens que haviam crescido com ele, resultado, nação dividida. No reino do Norte, Jeroboão é aclamado rei. E como uma de suas primeiras ações, decide criar locais para sacrifício. O rei de Israel não queria que seu povo descesse à Jerusalém para o culto. Um povo de mesma origem, agora separados.

A missão do homem de Deus era levar uma palavra de exortação da parte de Deus para o rei Jeroboão. Sair de Jerusalém á Betel por si só já mostra a árdua tarefa do profeta. Mas ele fora fiel, obedeceu prontamente a ordem de Deus.

sábado, 13 de abril de 2013

Elias na caverna e as provas do vento, terremoto e fogo.

"E ele lhe disse: Sai para fora e põe-te neste monte perante a face do Senhor. E eis que passava o Senhor, como também um grande e forte vento, que fendia os montes e quebrava as penhas diante da face do Senhor; porém o Senhor não estava no vento; e depois do vento, um terremoto; também o Senhor não estava no terremoto; e, depois do terremoto, um fogo; porém o Senhor não estava no fogo; e, depois do fogo, uma voz mansa e delicada." (1Reis 19.11-12)
Bp Erisvaldo  Pinheiro Lima
Palavra ministrada em 10/04/2013
Comunidade Evangélica Arca da Aliança

   
    Elias já tinha uma certa experiência com Deus. Era um homem que conhecia os milagres e o agir do Senhor. Do ribeiro de Querite à Serepta de Sidom, do Monte Carmelo à entrada de Jezreel, Elias experimentara e vivenciara a provisão e o poder sobrenatural do nosso Deus. Seja sendo alimentado por corvos e por uma viúva, seja lutando contra os profetas de Baal, ou profetizando uma grande chuva vinda da pequena nuvem do tamanho da mão de um homem, cada passo do nosso profeta era direcionado pelo Senhor. Cada passo, um testemunho do que é andar debaixo da mão do Senhor. Mas ainda assim, nosso profeta seria provado. Por mais zeloso que era, Elias passaria pela prova do vento, do terremoto e do fogo.

     Após receber a ameaça de Jezabel, Elias vai para o deserto, onde fora sustentado pelo anjo do Senhor. Um corvo, uma viúva e agora um anjo não deixando o profeta perecer. Deus cuida daqueles que estão debaixo de sua mão. Depois do deserto, Elias vai para caverna. Longe do perigo de Jezabel, mas próximo de Deus. Alguns dizem que aqui Elias se isolou num momento de fraqueza. Prefiro pensar que Elias fora guiado por Deus para ser provado. Nosso Deus prova quem ele quer aprovar. Ali na caverna não teria mais recursos, era só Elias e Deus. O limite do profeta seria testado. Até onde vai a força de um escolhido? É no momento de caverna que nossas forças são provadas, onde diminui totalmente o homem e cresce a força de Deus em nós. 
      Observe as provas que Elias passou e permita o Espírito Santo falar contigo:

terça-feira, 9 de abril de 2013

Segredo para o renovo espiritual.

     
"E estava ali a fonte de Jacó. Jesus, pois, cansado do caminho, assentou-se assim junto da fonte. Era isso quase à hora sexta." (João 4.6)


     Esta palavra é para quem já esteve, ou está cansado, quem precisa de renovo. É para alguém que reconhece que já lhe faltou forças para continuar no caminho. E para nosso consolo, vemos que até mesmo nosso Senhor esteve cansado do caminho. 
     E o que fez nosso Senhor quando se cansou? Vamos mergulhar nesta passagem, onde Jesus conversa com a mulher samaritana para sabermos do nosso próprio mestre o segredo para ser renovado na hora em que estivermos cansado do caminho.


  1. Picuinhas. Jesus tratou as barreiras que separam o povo de Deus. Os samaritanos era um nome dado aos israelitas representados pelas dez tribos do norte, enquanto que judeus representava duas tribos do sul. Mas estas tribos na verdade eram todas descendentes de Israel, cada uma carregando o nome de um dos filhos de Jacó. Eram todos irmãos, mas havia uma barreira entre os samaritanos e judeus. Jesus quebrou essa barreira. Não deve haver barreiras entre irmãos. Indiferenças devem ser superadas. Para resolver isso, nosso Mestre oferece água viva!

segunda-feira, 8 de abril de 2013

O pedido do rei Salomão quando se viu só


“A teu servo, pois, dá um coração entendido para julgar teu povo, para que prudentemente discirna entre o bem e o mal.” (1Reis 3.9)

Este memorável pedido de Salomão foi feito quando ele se encontrou só. Seu reino começou enquanto seu pai, o rei Davi, estava vivo. Nesta situação não seria tão difícil reinar. Na hora da dúvida, da decisão difícil, era só consultar o homem segundo coração de Deus e pronto, tudo estaria resolvido.
Mas após a morte de Davi, Salomão tinha que decidir por si só. Situações difíceis, dúvidas, julgamentos de rei, tudo isso o levou ao alto grande Gibeão para lá sacrificar. E em Gibeão lhe apareceu o Senhor de noite em sonhos e disse-lhe Deus: Pede o que quiseres que te dê.
O pedido de Salomão reflete um homem quando se vê só. Ele pede um coração entendido para julgar o povo. Um sábio pedido. O coração do homem é enganoso, e dele procede as saídas da vida. E se este coração deixar de ser enganoso e passar a ser entendido, teremos um coração cheio de sabedoria.
Seu pedido ainda é completado com uma situação real para um líder, Salomão queria um sábio coração para discernir prudentemente entre o bem e o mal. Se o rei de Israel pede isso, é porque ambos sentimentos se aproximavam dele, o bem e o mal, seja situação ou até mesmo pessoas, estes sentimentos eram uma realidade próxima ao rei, por isso ele precisava discernir quando era um ou outro.

sábado, 6 de abril de 2013

Eu sou do meu amado, e o meu amado é meu.

“Para onde foi o teu amado, ó mais formosa entre as mulheres? Para onde virou a vista o teu amado, e o buscaremos contigo?”
“O meu amado desceu ao seu jardim, aos canteiros de bálsamo, para se alimentar nos jardins e para colher os lírios.”
“Eu sou do meu amado, e o meu amado é meu; ele se alimenta entre os lírios.” 
(Cantares 6.1-3)

Bp Erisvaldo Pinheiro 
Palavra ministrada em 18/09/2012
             

Este diálogo inspirador foi retirado do livro escrito pelo sábio rei Salomão intitulado Cantares, ou Cântico dos cânticos. Um livro de muita importância na cultura judaica, que era lido para toda congregação na festa da Páscoa. De estilo poético, este belo e sucinto livro tem pelo menos três formas de interpretação, a literal, a típica e a alegórica. Nesta mensagem, vamos meditar usando esta última forma de interpretação.

Note que no diálogo há alguns personagens bem definidos. Um grupo de mulheres, uma amada e um amado mencionado por todas. Para definir quem cada um representa é importante observar que o diálogo gira em torno do amado, embora não haja nenhuma fala vinda dele. O grupo pergunta em tom questionador, enquanto a amada se defende falando do seu amado. Ora, naturalmente o amado aponta para Jesus Cristo que tem um profundo amor pela sua noiva, aqui representada pelo justo título de amada. E o grupo de mulheres, bem, percebo que elas vão ter uma representação para cada realidade daqueles que amam a Cristo.

  • Para onde foi o teu amado? Ó mais formosa entre as mulheres. Para onde virou a vista do teu amado e buscaremos contigo?
Perguntas aparentemente simples, mas com um olhar atento percebo um questionamento perigoso nelas. Perguntar para uma noiva para onde teria ido seu amado aponta de forma sutil uma indagação questionadora. Tipo, “ele não está aqui contigo”, ou “você não é a amada, então onde foi o teu amado”. O questionamento ainda é acompanhado com um elogio sórdido, ó mais formosa entre as mulheres, apontando o interesse de perturbar a amada. Se ela é a amada, e a mais formosa entre as mulheres, então o amado deveria estar ao lado dela, e se não está, o que ele estaria fazendo, nisso a noiva estaria em segundo plano na vida dele.

Questionamentos que você pode achar um exagero, mas perfeitamente atual se você apontar a amada para a Noiva do Senhor, a Igreja, eu e você. Questionamentos que a Noiva escuta nos dias de hoje, e o pior, acompanhado com o elogio sórdido. Situação vivida por aqueles que professam seu amor pelo Cordeiro, que declaram que pertencem a Ele, mas são questionados pelos grupos dos dias de hoje. Questionamentos que objetivam enfraquecer a fé de alguns, como “onde está o teu Deus”, “você não mais que vencedor, onde está sua vitória”, “você tem servido a Deus, então por que está nesta situação?” Para onde foi o teu amado mostra que o amado esteve com a amada mas não está mais. Pessoas que vivem Cristo de forma intensa e com o passar do tempo vão se distanciando, e a voz de acusação logo dispara “para onde foi o teu amado”.

quarta-feira, 3 de abril de 2013

Sepulcros vazios.


Mateus 28,1-7

            A ressurreição de Cristo é uma das verdades essenciais do Evangelho. E nós temos a necessidade de crer e de promover essa verdade.
            Jesus já havia prometido que ressuscitaria: “Desde então começou Jesus a mostrar aos seus discípulos que convinha ir a Jerusalém, e padecer muitas coisas dos anciãos, e dos principais dos sacerdotes, e dos escribas, e ser morto, e ressuscitar ao terceiro dia.” Mateus 16,21. Diante disso vale ressaltar alguns pontos do texto, não necessariamente na ordem que se apresentam.

1.    Estão buscando no meio de mortos Aquele que está vivo. As mulheres foram ao sepulcro zelar do corpo de Cristo, mesmo sendo conhecedoras do que o próprio Jesus já havia dito, que no terceiro dia ressuscitaria. E realmente não encontraram nada ali. “Vide e vede o lugar onde O Senhor Jazia” (V. 6). É nesse instante que O Senhor vem te falar: Sabe o teu sonho, que Eu te prometi ressuscitá-lo, ele não está mais aqui.  Meus irmãos, existem pessoas que guardam todos os sonhos e expectativas num determinado lugar e colocam uma placa escrita SEPULCRO. Essas pessoas até sabem que Cristo pode reviver esses sonhos, mais ainda no terceiro dia, vão lá, retirar a poeira, tentar organizar o seu sepulcro...sendo que o terceiro dia é o dia da vitória, o dia da comemoração, o dia de sonhar de novo, de se encher de alegria pela ressurreição, é o dia de ver o sepulcro vazio.

terça-feira, 2 de abril de 2013

Apóstolo Pedro: mudança em quatro verbos


“E o Deus de toda graça, que em Cristo Jesus vos chamou à sua eterna glória, depois de haverdes padecido um pouco, ele mesmo vos aperfeiçoará, confirmará, fortificará e fortalecerá.” (1 Pedro 5.10)





Concluindo sua primeira epístola, o apóstolo Pedro relaciona esses quatro verbos, como ações do próprio Deus em nós: aperfeiçoar, confirmar, fortificar e fortalecer. Quatro verbos, quatro ações divinas, uma grande benção do Senhor para aqueles que foram chamados à sua eterna glória. Permita que o Deus de toda graça te presenteie com estes quatro verbos.



1.         Aperfeiçoará

Do infinitivo aperfeiçoar, que significa aproximar da perfeição e trazer melhoramento. Gosto dos dois significados. Aproximar da perfeição não me pressiona a ser perfeito, na verdade, me coloca próximo daquele que é Perfeito. O imperfeito sendo aproximado ao Perfeito, o imperfeito sendo melhorado por estar próximo do Perfeito, isso é ser aperfeiçoado. E Pedro tinha propriedade para falar disso. Olhe Pedro no início da caminhada. O falastrão que chegou a repreender Jesus, quando nosso Mestre mostrava que convinha ser morto e ressuscitar ao terceiro dia. O nervoso insensato que cortou a orelha de Malco. E o intercessor adormecido que foi exortado por Cristo por não conseguir vigiar nem uma hora com o Mestre. Um discípulo que precisava muito ser aperfeiçoado. Acima de qualquer falha, Pedro foi chamado à eterna glória. E foi aprendendo que era o seu Mestre que o aperfeiçoava.
Acho consolador a atitude de Cristo não desistir de aperfeiçoar seus escolhidos. Como na história do adestrador que se entristeceu por ouvir que seu cachorro não tinha mais solução. Respondendo apenas, “mas eu ainda não terminei meu trabalho com ele”. Jesus não desiste de nos aperfeiçoar. E quando você for apontados e acusado saiba que o Senhor te defende e diz que ainda não terminou o seu trabalho em você. Ele está te aperfeiçoando.