sexta-feira, 17 de maio de 2013

Dengue espiritual e a contaminação mundana

Um pequeno mosquito gera uma perigosa doença. Pequenas atitudes nossas geram perigosas consequências.
Jesus respondeu: "Quem beber desta água terá sede outra vez, mas quem beber da água que eu lhe der nunca mais terá sede. Pelo contrário, a água que eu lhe der se tornará nele uma fonte de água a jorrar para a vida eterna". 

Acompanhamos diversos casos de dengue em nossa comunidade. Esta doença preocupante chegou até em membros e pessoas da liderança de nosso ministério. Orando sobre isso, o Espírito do Senhor tem me levado a uma reflexão em outro tipo de dengue, uma que não é noticiada mas que tem contaminado muitos, a dengue espiritual. 

A dengue espiritual tem sido uma realidade em nosso meio. Cada vez mais a contaminação mundana tem influenciado nossos cultos, e os sintomas disso reflete em valores materialistas, aparências, sucesso, imediatismo. Permita que o mesmo Espírito que me inspirou, ministre em seu coração:

  •      Contágio: 


De um pequeno mosquito chamado Aedes Aegypti, proveniente da África, seu nome significa "odioso do Egito", uma referência às doença que este mosquito transmite, como a dengue e a febre amarela. A contaminação da dengue espiritual também tem sua origem no Egito, que na Bíblia refere-se a tudo que é mundano. Da mesma forma que este pequeno mosquito faz uma grande estrago, a contaminação da dengue espiritual representa tudo aquilo que nos parece ser tão pequeno, mas que carrega dentro de si tanto mal. Aquilo que aos nossos olhos é tão pequeno, tão insignificante, aquilo que de tão pequeno dizemos "não tem importância", "isso não vai me contaminar" mas acaba contaminando nosso interior. Nem vemos, nem percebemos, mas o pequeno odioso do Egito vem e contamina tudo.

Alguns (digo alguns, pois não são todos), se vem grande demais a ponto de achar que pela sua grandeza e pela pequeneza do mosquito do mundo nenhum mal acontecerá. Pensamentos do tipo "sou forte", "sou grande", acompanhado da impressão que a contaminação do mundo é algo pequeno e "nunca vai me derrubar" contrasta com a dura realidade de que cada vez mais a dengue espiritual com toda sua contaminação mundana vem crescendo no nosso meio.

segunda-feira, 13 de maio de 2013

Fidelidade na caminhada e a porção dobrada de Eliseu

Em sua caminhada, Eliseu passou por Gilgal, Betel, Jericó e Jordão. Quatro grandes ensinamentos para nossas vidas.
"Sucedeu que, havendo eles passado, Elias disse a Eliseu: Pede-me o que queres que te faça, antes que seja tomado de ti. E disse Eliseu: Peço-te que haja porção dobrada de teu espírito sobre mim".

















     Nos momentos finais e iniciais das jornadas proféticas de Elias e Eliseu, a palavra do Senhor nos concede um profundo ensinamento. Neste texto, os profetas passaram por Gilgal, Betel, Jericó e Jordão. Quatro lugares, quatro testes, quatro ensinamentos de fidelidade na caminhada e consequente porção espiritual dobrada.

Gilgal


O teste da fidelidade espiritual de Eliseu começa em Gilgal. Aqui, o jovem profeta é testado para não permanecer, não seguir adiante. Para entendermos o significado espiritual para os dias de hoje, devemos lembrar que Gilgal é mencionado pela primeira vez na Bíblia no livro de Josué (5.9), como local escolhido por Deus para a nova geração de israelitas serem circuncidados. Gilgal significa "removido". Então, Gilgal é o local onde a carne deve ser tratada. Onde o pecado deve ser removido. Neste primeiro teste de Eliseu, sua carne deveria ser tratada. Se queremos viver lado a lado com o Espírito do Senhor, nossa carne deve ser tratada, suas concupiscências devem ser removidas. Nestes quatro estágios da caminhada cristã, muitos ficam apenas neste primeiro. A Palavra diz que o que é nascido da carne é carne, e Eliseu passa no teste da carne, vence a carne e sua jornada espiritual prossegue.

Betel


segunda-feira, 6 de maio de 2013

A mulher e o dragão em quatro batalhas

A terra ajuda a mulher do que saía da boca do grande dragão
Apocalipse 12

Passamos por batalhas espirituais quase que diariamente. São lutas e mais lutas em que nossas forças são testadas e nossa fé colocada em cheque. Nestes momentos, os fiéis se perguntam se vão conseguir vencer, ou o que teria feito para merecer isso. Nesta mensagem, percebemos a origem e o porquê destas batalhas que são tão frequentes nos dias de hoje, além de como lutar e se sair vencedor em qualquer batalha espiritual.

Nesta revelação do livro do Apocalipse em seu capítulo doze, com linguagem forte, vemos dois personagens descritas. A primeira é descrita como uma mulher vestida do sol, tendo a lua debaixo dos seus pés, e uma coroa de doze estrelas sobre a sua cabeça. E estava grávida, e com dores de parto, e gritava com ânsias de dar à luz. O mistério do sol e da lua, lembramos do sonho de José que representava seu pai Israel e sua mãe Raquel. Mas é o detalhe da coroa de doze estrelas que percebemos quem esta mulher representa. Uma vez que o Velho Testamento gira em torno da história de um povo escolhido e separado por Deus, e que o próprio Deus dividiu este povo em doze tribos, e que o Novo Testamento narra como Jesus escolheu para servi-lo doze homens que foram trabalhados para serem doze apóstolos, então, vemos que esta mulher pode ser representada por Israel, nação de Deus.
   
Outro detalhe que chama a nossa atenção é o fato desta mulher estar sofrendo para dar a luz à um varão.  Este varão é descrito como aquele que vai reger todas as nações e que foi arrebatado para o trono de Deus. Logo, o menino na visão representa Jesus. Já sou consolado neste momento em saber que o sofrimento da mulher era por que ainda não tinha dado a luz, o Filho ainda não tinha vindo, por isso, creio que boa parte dos sofrimentos de alguns é por que a luz de Jesus ainda não fora acessa. Acenda a luz de Jesus na sua vida e veja sua vida mudar!

O segundo personagem da visão, um grande dragão vermelho, é descrito no versículo nove como a antiga serpente, chamada o diabo e Satanás, que engana todo mundo. Logo, na cena temos o diabo esperando de Israel nascer o Filho de Deus para lhe tragar para dar início a primeira de quatro batalhas:

  • 1ª Batalha


quarta-feira, 1 de maio de 2013

Atitude de Jônatas e a vitória com poucos

Jonata e seu servo venceram um exército inteiro com a ajuda do Senhor
"Porque para o Senhor nenhum impedimento há de livrar com muitos ou com poucos". (1Sm 14.6b)


Acostumamos ouvir que Deus requer de nós muita fé, muita força, muita perseverança, muita vontade, muita tanta coisa...

Ao olhar para nós mesmos, somos confrontados com esta ideia de que Deus requer muito de nós. Muitos são invadidos com preocupação, medo e desmotivação. Pois, ao contrário do que ouvimos, temos pouca fé, pouca força, pouca perseverança, pouca vontade. Acredito realmente que até meu amor por Ele é tão pouco, poderia ser tão maior.

Sou muito consolado com a atitude de Jônatas. Quando vai para a batalha com tão pouca gente (ele e mais um!). Acreditando que Deus pode derrotar o grande exército filisteu usando poucos da mesma forma como se fossem muitos!