Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Eu sou do meu amado, e o meu amado é meu.

“Para onde foi o teu amado, ó mais formosa entre as mulheres? Para onde virou a vista o teu amado, e o buscaremos contigo?”
“O meu amado desceu ao seu jardim, aos canteiros de bálsamo, para se alimentar nos jardins e para colher os lírios.”
“Eu sou do meu amado, e o meu amado é meu; ele se alimenta entre os lírios.” 
(Cantares 6.1-3)

Bp Erisvaldo Pinheiro 
Palavra ministrada em 18/09/2012
             

Este diálogo inspirador foi retirado do livro escrito pelo sábio rei Salomão intitulado Cantares, ou Cântico dos cânticos. Um livro de muita importância na cultura judaica, que era lido para toda congregação na festa da Páscoa. De estilo poético, este belo e sucinto livro tem pelo menos três formas de interpretação, a literal, a típica e a alegórica. Nesta mensagem, vamos meditar usando esta última forma de interpretação.

Note que no diálogo há alguns personagens bem definidos. Um grupo de mulheres, uma amada e um amado mencionado por todas. Para definir quem cada um representa é importante observar que o diálogo gira em torno do amado, embora não haja nenhuma fala vinda dele. O grupo pergunta em tom questionador, enquanto a amada se defende falando do seu amado. Ora, naturalmente o amado aponta para Jesus Cristo que tem um profundo amor pela sua noiva, aqui representada pelo justo título de amada. E o grupo de mulheres, bem, percebo que elas vão ter uma representação para cada realidade daqueles que amam a Cristo.

  • Para onde foi o teu amado? Oh mais formosa entre as mulheres. Para onde virou a vista do teu amado e buscaremos contigo?
Perguntas aparentemente simples, mas com um olhar atento percebo um questionamento perigoso nelas. Perguntar para uma noiva para onde teria ido seu amado aponta de forma sutil uma indagação questionadora. Tipo, “ele não está aqui contigo”, ou “você não é a amada, então onde foi o teu amado”. O questionamento ainda é acompanhado com um elogio sórdido, ó mais formosa entre as mulheres, apontando o interesse de perturbar a amada. Se ela é a amada, e a mais formosa entre as mulheres, então o amado deveria estar ao lado dela, e se não está, o que ele estaria fazendo, nisso a noiva estaria em segundo plano na vida dele.

Questionamentos que você pode achar um exagero, mas perfeitamente atual se você apontar a amada para a Noiva do Senhor, a Igreja, eu e você. Questionamentos que a Noiva escuta nos dias de hoje, e o pior, acompanhado com o elogio sórdido. Situação vivida por aqueles que professam seu amor pelo Cordeiro, que declaram que pertencem a Ele, mas são questionados pelos grupos dos dias de hoje. Questionamentos que objetivam enfraquecer a fé de alguns, como “onde está o teu Deus”, “você não mais que vencedor, onde está sua vitória”, “você tem servido a Deus, então por que está nesta situação?” Para onde foi o teu amado mostra que o amado esteve com a amada, mas não está mais. Pessoas que vivem Cristo de forma intensa e com o passar do tempo vão se distanciando, e a voz de acusação logo dispara “para onde foi o teu amado”.
A segunda pergunta é ainda mais desafiadora e mostra o caráter do grupo questionador. Para onde virou a vista do teu amado, mostra que esta pergunta quer fazer a amada acreditar que mesmo o amado estando presente, ele vira sua vista em outra direção, desprezando a amada. É como se o amado não se preocupasse com a amada. Está com ela, mas não se importa muito, simplesmente, vira o rosto, não olha, não se importa, não se compadece, e não ama. E buscaremos contigo demonstra o caráter do grupo. Só buscará se ver algo, só buscará se a acontecer algo com alguém primeiro. Um acreditar vendo resultados primeiro.

Duas perguntas questionadoras, e até aqui a amada está calada. O grupo de mulheres, o grupo de acusação, questiona, desafia e é silenciado pela resposta da amada.

  • O meu amado desceu ao seu jardim, aos canteiros do bálsamo, para se alimentar nos jardins e para colher os lírios.
A amada mostra que conhece seu amado e sabe onde ele está. Tem a plena certeza que mesmo não o vendo, ele desceu ao seu jardim. O jardim neste diálogo representa a igreja. A amada mesmo questionada, mesmo não vendo seu Amado, sabe que Ele desce ao seu jardim. O jardim do Amado é o lugar onde Ele desce, onde ele infalivelmente visita. A amada ainda descreve um fato importante desse jardim, é um lugar de canteiros de bálsamo. O bálsamo aponta para a cura, alívio, conforto e consolo. O Amado desce ao seu jardim e vai derramando bálsamo para a amada. O Amado ainda vai se alimentar e colher os lírios do jardim. Este é o objetivo do jardim (igreja), alimento e colheita de frutos.

A amada tem intimidade, mesmo na provação, ela sabe perfeitamente o que o Amado faz no seu jardim. Querido leitor, você é amado (ou amada) do Senhor. Quando questionado, e mesmo falando o que quiserem falar contra você, saiba que no jardim do Senhor, na igreja, você vai encontrar o Amado, e lá você vai ser renovado com seu bálsamo, você vai receber o alimento que vem da boca de Deus, e lá o Senhor quer recolher os frutos da obra de suas mãos.

  • Eu sou do meu amado, e o meu amado é meu; ele se alimenta entre os lírios.
Pronto. O grupo questionador é silenciado pela descrição intima que a amada faz do seu amado. E para mostrar seu relacionamento, a amada declara eu sou do meu amado, e o meu amado é meu.

Aconteça o que acontecer, venha o que vier, saiba que você pertence ao seu Amado. Você pertence a Ele. Você é do seu Amado e Ele é todo seu. Quando passares por momentos de questionamento, com sua fé colocada à prova, lembre-se que você é do Senhor e o Senhor é seu. Mas aqui, prefiro a forma poética do livro de Cantares, lembre-se que você é do seu Amado e o seu Amado é seu. Chamando-o assim, o relacionamento fica mais íntimo, mais pessoal, mais próximo. O Senhor sendo seu Amado e você sendo a Amada dEle, poderá vir o deserto que for, mas nunca deixaremos de ser amado e amada. Nada poderá tirar este título de você, amada do Senhor, amado do Senhor. E, hoje, coloque este título também na sua relação, Ele é seu Amado.

Eu sou do meu Amado, e o meu Amado é meu.

Postagens mais visitadas deste blog

Elias na caverna e as provas do vento, terremoto e fogo.

A ressurreição de Lázaro: o tempo, o silêncio e a pedra

Quem é você na parábola do bom samaritano?