terça-feira, 3 de setembro de 2013

Quem deu crédito à nossa pregação?

Seja a minoria que realmente dá crédito à pregação!
Quem deu crédito à nossa pregação? (Is 53.1a)


Você já parou para contemplar a beleza que há no capítulo 53 do livro do profeta Isaías? Um texto que demonstra ricos detalhes da obra redentora do prometido Servo do Senhor, o Messias. Belas profecias que são um acalento para perdidos, sofridos e doentes. Para não sermos enfermos ele tomou sobre si nossas enfermidades...Para não ficarmos desgarrados como ovelhas, o Senhor fez cair sobre ele a iniquidade de nós todos. Por essa obra, ele justificará a muitos. E ainda, pelos transgressores intercedeu. Um incrível relato da morte expiatória de Jesus Cristo, que, surpreendentemente, foi registrado pelo menos 680 anos antes da virgem o conceber.

Toda essa beleza poética e profética é precedida com a pergunta: Quem deu crédito à nossa pregação? Uma pergunta que mostra a rejeição da maioria das pessoas por esta obra redentora. Deus fez toda essa bela e dolorosa obra para nos salvar, mas, quem deu crédito ao Senhor? Observe querido leitor, que a pergunta mostra que a pregação é NOSSA. Deus se faz dono dela também. A pregação é minha, é sua, e, acima de tudo, é do Senhor. Pena que a maioria não deu crédito à nossa pregação. 


  • · A maioria



Uma ilustração que circula nas redes sociais se encaixa nesta pregação. Conta-se que um pastor, já cansado de seus sermões não terem o efeito esperado em suas ovelhas, resolveu aplicar uma lição inesquecível em sua igreja. Num determinado culto semanal, ele levou para o púlpito, uma toalha, bacia, barbeador, espelho. E para surpresa dos irmãos presentes, o pastor se barbeou na hora da pregação. Todos ficaram atentos àquela cena inusitada, afinal, não é todo culto em que o pastor se barbeia na hora da palavra. Todos imaginavam o desfecho daquilo, uma “moral da história” no final. E, mais uma surpresa, o pastor encerrou o culto como se nada tivesse acontecido, nenhum grande final, nada, apenas encerrou e dispensou os irmãos. Esse foi o comentário da semana, todos falavam do ato de se barbear do pastor, chegaram até a chamar outras pessoas com a certeza de que no próximo culto o pastor iria explicar tudo aquilo. No próximo culto, a igreja estava cheia, mais do que o normal. Calmamente, o pastor tirou a expectativa da igreja, explicando que o que havia feito não tinha nenhum significado espiritual, nenhuma lição de moral. Completou sua fala dizendo que estava admirado com a repercussão que seu ato de barbear tinha tido. E que se alguma lição poderia ser tirada disso, seria a atitude dos irmãos, onde a pregação poderia ser também comentada fora da igreja, como foi o seu ato de barbear, que os irmãos poderiam convidar outras pessoas para ouvir a pregação, como fizeram para ver o seu ato de barbear, afinal, a pregação não é mais importante que o ato de se barbear? 


Uma maioria não tem dado crédito à nossa pregação. 


Refletindo sobre o crédito que damos à Palavra do Senhor, o Espírito me levou ao tratamento que damos às postagens do Facebook (isso mesmo que você leu!). Para quem é usuário dessa rede social, sabe que tem postagens que não damos importância, apenas passa diante de nossos olhos. Outras chamam nossa atenção e ‘curtimos’. Algumas comentamos e, umas poucas, compartilhamos. 


Precisamos dar todo nosso crédito à pregação do Senhor. Não apenas passar nossos olhos, como se não nos fosse útil. Devemos ‘curtir’ a pregação do Senhor; devemos ‘comentar’ o conteúdo desta pregação, como nos resgatou, dando todos os créditos ao Senhor; devemos ‘compartilhar’ a mensagem da cruz, que é a pregação do Senhor, para tantos quantos necessitam ouvi-la. 


  • · Uma minoria


Ainda que a maioria não dê crédito à pregação, devemos continuar compartilhando. Pois, pela minoria, tem valido a pena, e a pregação chegou até a nossa geração, como está escrito: 


“O trabalho de sua alma ele verá e ficará satisfeito” (Is 53.11a)

Em seu ministério, Jesus teve centenas de seguidores. Mas, foi uma minoria que chamou sua atenção e nos deixou preciosos exemplos de condutas. Como foi o caso do Apóstolo Filipe.


No primeiro capítulo do Evangelho segundo escreveu o Apóstolo João, a partir do versículo 43, vemos que Jesus quis ir à Galiléia, e achou a Filipe. Veja que foi um ato intencional de Jesus ir até a Galiléia. Seu propósito era achar um que desse crédito à sua pregação. 


E olha que foi uma pregação rápida (duas palavras): Segue-me. Simples e certeira. 


Filipe representa esta minoria que escuta a pregação do Senhor e logo lhe concede todos os créditos. Filipe foi achado, e imediatamente, achou a Natanael! Veja que esta minoria dá tanto crédito à pregação que logo vai ‘compartilhar’ com outro. 


A pregação de Filipe quando achou Natanael mostra um testemunho de quem conhecia as escrituras, veja:
“Havemos achado aquele de quem Moisés escreveu na Lei e de quem escreveram os profetas: Jesus de Nazaré, filho de José” (Jo 1.45)
Um testemunho tão forte, quem nem Pedro havia dado quando Jesus o achou.


Filipe representa uma minoria de imensurável valor. Não se esqueça que coisas raras são mais preciosas. Essa minoria que dá crédito à pregação é um verdadeiro ‘achado’ de Jesus. Esta minoria valoriza seu chamado, chamando outros para a presença do Senhor. 


Os Natanael’s estão a sua espera, querido. Sei que você faz parte desta minoria, porque você chegou até aqui, valorizando esta pregação. Compartilhe, querida minoria, a pregação da cruz aos Natanael’s que estão à nossa volta. Eles podem até se mostrarem duvidosos: Disse-lhe Natanael: Pode vir coisa boa de Nazaré? Mas, não desista: Disse-lhe Filipe: Vem e vê. 


O encontro de Natanael com Jesus foi lindo, como revelações e promessas, além de reconhecimento: Rabi, tu és o Filho de Deus, tu és o Rei de Israel. Só quem investiu horas de orações e choro nas madrugadas por alguém, e viu essa pessoa reconhecer o senhorio de Jesus, sabe o quanto é lindo esse momento.


São momentos em que glorificamos o nome do Senhor, por fazermos parte desta minoria daqueles que são achados pelo Senhor, e compartilhamos sua mensagem achando outros. 

Pense nisso...


Continue, querido leitor, sendo um Filipe desta geração, buscando e achando aqueles que, assim como você, dão crédito à nossa pregação! 



Que o amor do Deus vivo, a graça de Jesus Cristo e a comunhão do Espírito esteja sobre a minoria que dá crédito à pregação.

Bp Erisvaldo Pinheiro Lima (ministrado em 01 de setembro de 2013)