Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Propósito de purificação (3ª parte)

Purificação do povo de Deus veio pelo avivamento de sua Palavra!
2Crônicas 29.17-35
O Espírito do Senhor nos visitou e nos direcionou a este texto bíblico. Convencendo-nos que era necessário nos lançarmos diante de sua santa presença, como o rei Ezequias fizera. Baseado no avivamento espiritual dos tempos deste ilustre rei, fizemos um voto diante do Senhor, o Propósito de purificação de 16 dias, mesmo tempo em que Ezequias purificou o templo de Jerusalém. Foi um propósito forte, onde entenderemos sua profundidade meditando no relato bíblico do capítulo 29 do segundo livro das Crônicas dos reis de Judá. O texto foi ministrado em três etapas, três cultos onde o Senhor nos visitou e nos tratou nas áreas de nossas vidas em que estas palavras foram direcionadas. 

Esta foi a terceira de três ministrações do propósito de purificação de 16 dias. Você pode ver nestes links as outras duas ministrações deste propósito:
            
Quando a obra termina, depois de 16 dias de purificação, o relatório é apresentado ao rei. A Casa do Senhor já havia sido purificada, como também o altar do holocausto com todos os seus utensílios e a mesa da proposição como todos os seu objetos. Também todos os objetos que o rei Acaz, no seu reinado, lançou fora, na sua transgressão, já preparamos e santificamos; e eis que estão diante do altar do Senhor (2Cr 29.18-19).
            Observe o destaque que é dado ao altar do holocausto, a mesa da proposição e o retorno dos objetos lançados fora, pois um olhar atencioso nestes elementos nos mostra a trajetória de purificação de quem está no caminho do Senhor:

·        Altar de holocausto

De fato deveria ser o primeiro item da lista de cuidados dos sacerdotes e levitas. Era o lugar onde o sacrifício era apresentado, tendo o sangue vertido para esperança de perdão e renovo de quem se apresentava ao Senhor no Templo de Jerusalém. Não há purificação sem sangue expiatório. Um tipo da obra que Cristo fez por nós. Vertendo seu sangue no madeiro, o convite é feito para entrarmos e sermos partes do Templo do Senhor, movidos pelo perdão e renovo oferecido.


·        Mesa da proposição

A purificação seguiu para dentro do Templo tratando da mesa da proposição, local onde era colocado os pães da proposição. Também um tipo de Cristo, que se declarou o Pão da Vida (Jo 6.35). Veja, querido leitor, que primeiro passo da purificação acontece no sangue derramado, mas há uma continuidade. Uma vez lavado no Altar de holocausto (um tipo da obra do Calvário), a purificação deve ser fortalecida com o alimento oferecido dentro do Templo. Jesus é este alimento, ele é o Pão da vida. Nossa caminhada começa com a cruz, mas para permanecer no caminho devemos nos alimentar da Palavra do Senhor.


·        Objetos lançados fora

A purificação somente se concluiu com a busca pelos objetos que o ímpio anterior rei Acaz havia lançados fora do Templo do Senhor. Os objetos foram resgatados pelos sacerdotes e levitas, preparados, santificados e colocados diante do altar do Senhor. Aqui, querido leitor, segue a caminhada do cristão. Purificado no sangue carmesim, alimentado pelo Pão da Vida e resgatando aqueles que estão fora do Templo do Senhor. Note que objetos não foram simplesmente trazidos para o interior do Templo, houve preparação e santificação. Isso significa que trazer alguém para a Casa do Senhor não é somente fazer um convite e leva-lo para um culto, tem que ter preparação, buscando estratégias em Deus para alcançar os sem-igreja, além de santificação, com muito jejum e oração.

Assim o culto foi restabelecido na Jerusalém dos tempos do rei Ezequias. Com a purificação realizada nos 16 dias, houve um momento de adoração festiva do rei, sacerdotes, levitas, maiorais da cidade e toda a congregação.
Mas, um detalhe me chama a atenção. O rei Ezequias com os maiorais ofereceram o sacrifício expiatório, enquanto que o restante da congregação oferecera sacrifícios e ofertas de louvor.  Uma nítida diferença de sacrifícios oferecidos. O sacrifício da liderança tinha o selo da expiação, já o da congregação, o selo era de louvor. Expiação significa morte, louvor significa alegria. Era como se a liderança pagasse um preço a mais, uma renúncia maior, uma aniquilação do próprio ‘eu’ em prol da alegria da congregação. Este é o chamado do líder (obreiro) da Casa do Senhor, que passa momentos de intensa oração para que outros possam se apresentarem a Deus com louvor.

A adoração no Templo foi resgatada pela purificação.

Encerro esta reflexão com o resultado dos 16 dias do propósito de purificação do rei Ezequias:
...começou também o canto do Senhor...
...se prostraram e adoraram...
...E o louvaram com alegria, e se inclinaram, e adoraram...
...Assim, se estabeleceu o ministério da Casa do Senhor...

Que a purificação oferecida pelo Cordeiro de Deus te acompanhe no caminho,
Bp Erisvaldo Pinheiro (ministrado em 14 de Agosto de 2013).

Postagens mais visitadas deste blog

Elias na caverna e as provas do vento, terremoto e fogo.

A ressurreição de Lázaro: o tempo, o silêncio e a pedra

Quem é você na parábola do bom samaritano?