Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Escola de Profetas: Aos Romanos



Escola de Profetas: Aos Romanos    

Paulo tenta o apoio dos romanos, mesmo não tendo sido o fundador daquela igreja. A fundação da importante comunidade dos romanos pode ter acontecido pelos prosélitos de Roma, que estavam presentes no discurso de Pedro em Pentecoste (At 2.10). A igreja dos romanos se fortaleceu e se tornou um ponto estratégico para os planos do Apóstolo Paulo em evangelizar a Espanha.

Para ganhar o apoio dos romanos, Paulo precisa apresentar o evangelho que pregava. Isso é importante, pois havia um grupo de judeus que passava nas igrejas onde Paulo tinha estado, difamando-o e implantando obrigações cerimoniais, inclusive a obrigatoriedade da circuncisão (At 15.1). Uma das táticas desses opositores era de contradizer o que Paulo ensinava (At 13.45)

Assim, Paulo escreveu sua carta mais sistemática e teológica. Lutero, Calvino e Wesley foram alguns que tiveram suas vidas mudadas, vislumbrando o poder da Graça de Jesus Cristo apresentada neste livro.

CAP 1
A depravação visível dos gentios

CAP 2
A depravação invisível dos judeus

CAP 3
Judeus e gentios estão igualmente debaixo do pecado e afastados da glória de Deus. Podendo, pela fé, serem justificados gratuitamente pela Graça de Jesus Cristo.

CAP 4
A justificação é pela fé, como foi a fé de Abraão

CAP 5
A justiça de Deus é demonstrada. Por Adão, os homens herdaram o pecado. Por Cristo, os homens são justificados, por meio da fé.

CAP 6 e 7
Algumas objeções respondidas:
Então o homem ainda pode pecar e ter salvação? NÃO (6.1-14)
Por sermos livres da condenação da lei, não precisamos ter obrigações morais? NÃO (6.15 - 7.6)
Então a lei é má e inútil? NÃO (7.7 - 7.25)

CAP 8
Este é o capítulo central da carta. É um transbordar de emoções de Paulo pela maravilha desse Evangelho. É um dos mais lindos capítulos da Bíblia!

CAP 9
Paulo começa o capítulo expondo sua dor pela rejeição ao evangelho feita pelos seus irmãos israelitas. Mostra que os judeus foram incrédulos por não se atentarem às escrituras. Expõe vários textos do VT para afirmar aos judeus que a salvação não é pela carne (nacionalidade) e sim pela fé, o salvo deve ser:
1- Filho da promessa, e não tão somente ser da descendência de Abraão (v.9)
2- Dependente do compadecimento de Deus (v.16)
3- Ser um dos remanescentes (v.27)

CAP 10
Diante da insuficiência de salvação da lei, Paulo expõe Cristo como caminho para salvação. A salvação é para aqueles que o invocam como SENHOR, uma confissão não apenas de palavras, mas também de coração.

CAP 11
Aos judeus romanos, Paulo chama Israel de Povo de Deus. Falando de israelita para israelita, o Apóstolo lembra que havia um remanescente nos tempos de Elias que não haviam se dobrado diante de Baal, e que da mesma forma, neste “tempo ficou um resto” que creêm em Cristo como Senhor. Não é mais uma questão de ser judeu ou gentil, mas sim , de ser eleito pelo Evangelho da Graça.
Aos gentios, Paulo lembra que foi pela rejeição dos judeus que o Evangelho chegou aos gentios. E se assim foi, muito mais glorioso será quando os judeus se voltarem à Cristo! Exorta os gentios lembrando que Deus não poupou seu próprio povo, muito menos poupará os gentios que não permanecerem cuidadosos e zelosos com a palavra. Sobre isso, Paulo diz: “se estás de pé pela fé, então, não te ensoberbeces, mas teme”! Faz uma interessante analogia entre o zambujeiro (gentios) e a oliveira (judeus). Os gentios foram enxertados nos ramos arrancados da oliveira!
Uma característica marcante de Paulo, em meio à explicação teológica de seu evangelho, ele interrompe a explicação para um belo e profundo momento de adoração.

CAP 12 ao 14
A partir do capítulo 12, Paulo passa a escrever sobre situações do dia-a-dia dos romanos. Ensina vários conselhos sobre o cuidado com o próximo, com as autoridades e com aqueles que tem diferenças de doutrina. Resume tudo em “amar o próximo, como a ti mesmo”.

CAP 15 e 16
Em tom agora pessoal, Paulo fala de seus planos ministeriais. A coleta de algumas igrejas gentílicas aos necessitados de Jerusalém. A pretensão de ser encaminhado pelos romanos à Espanha. Para isso, o apóstolo pede oração.
Encerra a carta com uma grande e afetuosa lista de saudações, mostrando o quão ele era conhecido e conhecedor dos irmãos romanos, mesmo não tendo sido o fundador daquela importante igreja.



Fontes de pesquisas:

  • O Ministério da Palavra de Deus - Watchman Nee - Editora Clássicos
  • Bíblia de Estudo Pentecostal - Editora CPAD
  • Novo Dicionário Bíblico- Jhon Davis - Ed Hagnos
Bp Erisvaldo Pinheiro Lima
Comunidade Evangélica Arca da Aliança
Ministrado em Fevereiro de 2015

Postagens mais visitadas deste blog

Elias na caverna e as provas do vento, terremoto e fogo.

A ressurreição de Lázaro: o tempo, o silêncio e a pedra

Quem é você na parábola do bom samaritano?