domingo, 15 de março de 2015

Escola de Profetas: O Evangelho segundo Marcos (6ª aula)




Escola de Profetas: O Evangelho segundo Marcos       (6ª aula)

João Marcos residia em Jerusalém. Sua casa era lugar de oração, onde a igreja ali intercedeu fortemente em favor de Pedro (At 12.12). Fez parte da 1ª viagem missionária de Paulo , mas se “apartou deles” e voltou a Jerusalém (At 13.5,13). Na segunda viagem, Paulo preferiu não levá-lo e Marcos seguiu com Barnabé para Chipre (15.22). Mais tarde, volta a ser um dos cooperadores de Paulo (Cl 4.10, Fm 24). Segundo Papias (130 d.C.), após o martírio de Paulo, Marcos acabou sendo um cooperador de Pedro em Roma (1Pe 5.13). Por isso, escreveu seu Evangelho aos cristãos romanos, num período em que a igreja sofria intensa perseguição do Império Romano. Isso pode ser observado na mensagem central do livro, veja:

O Evangelho é nitidamente dividido em duas partes, o ministério na Galiléia, e região circunvizinha, e o ministério em Jerusalém:

  1. Na Galiléia acontece a primeira parte do Evangelho de Marcos: 

    O texto é descrito num ritmo rápido de acontecimentos miraculosos de cura e expulsão de demônios. Há um mistério em torno de quem é Jesus (1.27, 3.12, 4.41, 5.43, 6.2, 7.24, 7.36). Até que Jesus exorta severamente seus discípulos por não entenderem o que acontecia. Jesus, então, se declara aos seus, como um servo sofredor, bem como a morte que havia de padecer (8.29-31, 9.13,31, 10.33-34, 45). 
  • Comparando Mc 7.1-4 e Mt 7 vemos duas formas distintas em apresentar uma mesma situação. Lembrando que o público de Marcos, diferente de Mateus, não conhecia a fundo  a tradição dos judeus.
  • Por amor de mim e do Evangelho” (8.35, 10.30) é usado com frequência no livro, um alento aos crentes perseguidos em Roma, onde o todo sofrimento era por amor de Cristo e do Evangelho.
  • Note a distância entre Jericó e Galiléia, e mesmo assim, o cego de Jericó clamou por ter  ouvido falar que era Jesus de Nazaré.   


  1. Em Jerusalém, o texto fica menos acelerado e mais detalhado:
  • A entrada triunfal pode ser melhor entendida lendo Sl 118.26,27. Uma grande multidão celebra Jesus na sua entrada em Jerusalém. Para surpresa (ou decepção) deles, Jesus apenas observa o templo (10.11).
  • No dia seguinte, Jesus volta a Jerusalém (sem multidão), vai ao templo e expulsa os comerciantes. Note que neste contexto está o episódio da figueira seca, a declaração da fé que remove montanhas e a trama sobre matar Jesus! (11.15).
  • No outro dia, Jesus torna a Jerusalém e anda pelo templo. Numa sequência de interrogatórios, Jesus é questionado por: Principais dos sacerdotes, escribas e anciãos(11.27); fariseus e herodianos (12.13); e pelos saduceus (12.18).
  • No seu julgamento, nosso Senhor Jesus falou apenas uma sentença forte diante do sumo-sacerdote EU SOU (14.62), culminando sua sentença à morte.  que mais tarde, não pôde vencê-lo.

Essa divisão no texto do Evangelho escrito por Marcos é bastante sugestiva. Os oito capítulos iniciais são recheados de sinais e prodígios. Ao mesmo tempo, há um mistério entorno da pessoa de Jesus. Mesmo com os milagres acontecendo, as pessoas, nem mesmo seus discípulos, não compreendiam o Senhor dos Milagres! São três anos narrados em apenas oito capítulos.

Os oito capítulos finais, por sua vez, correspondem apenas uma semana da jornada terrena de nosso Senhor Jesus! Neste trecho ocorre poucos sinais. Na segunda parte do Evangelho, Marcos destaca as proclamações que nosso Mestre fez basicamente em Jerusalém. Aqui não há mistério entorno de sua pessoa. Aqui ele, abertamente, já é intitulado como o Filho de Deus!

O público de Marcos era de cristãos romanos, repito. Uma comunidade que estava sofrendo severas perseguições dos implacáveis imperadores. Marcos escreve este Evangelho para preparar seu rebanho. "Por amor de mim e do Evangelho" escrito repetidas vezes, prepara o rebanho para sofrer qualquer tribulação imposta. "Por amor de mim e do Evangelho", direciona a comunidade a buscar a proclamação da Palavra liberada pelo Senhor Jesus, e não somente por seus sinais e prodígios. Dessa forma, o público desse forte Evangelho passa a ser nós, a igreja do século 21!



Fontes de pesquisas:

  • O Ministério da Palavra de Deus - Watchman Nee -  Editora Clássicos 
  • Bíblia de Estudo Pentecostal - Editora CPAD 
  • Novo Dicionário Bíblico- Jhon Davis - Ed Hagnos

Bp Erisvaldo Pinheiro Lima
Comunidade Evangélica Arca da Aliança
Ministrado em Outubro de 2014