Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Grande Babilônia ou Santa Jerusalém?

Nosso próximo passo, nos levará para a Grande Babilônia ou para a Santa Jerusalém?
Santa Jerusalém, na visão do Apocalípse do Ap. João

Bp Erisvaldo Pinheiro Lima. 
Palavra ministrada na 11ª Convenção Ministerial dos Valentes. 
Comunidade Evangélica Arca da Aliança. 
Em 26 de Julho de 2014.

E veio um dos sete anjos que tinham as sete taças, e falou comigo, dizendo-me: Vem, mostrar-te-ei a condenação da grande prostituta que está assentada sobre muitas águas; Com a qual fornicaram os reis da terra; e os que habitam na terra se embebedaram com o vinho da sua fornicação. E levou-me em espírito a um deserto, e vi uma mulher...  Apocalipse 17:1-3


E veio a mim um dos sete anjos que tinham as sete taças cheias das últimas sete pragas, e falou comigo, dizendo: Vem, mostrar-te-ei a esposa, a mulher do Cordeiro. E levou-me em espírito a um grande e alto monte, e mostrou-me a grande cidade, a santa Jerusalém, que de Deus descia do céu. E tinha a glória de Deus; e a sua luz era semelhante a uma pedra preciosíssima, como a pedra de jaspe, como o cristal resplandecente. E tinha um grande e alto muro com doze portas... Apocalipse 21:9-12


A estrutura dos textos é semelhante. Nos dois textos, é descrito que um dos sete anjos que tinham as sete taças vem até João e o chama para mostrar uma mulher. Oro para que tenhamos, também, essa visão, nítida e clara, em nossos corações.

A primeira mulher é chamada de meretriz. Enquanto que a segunda é chamada de esposa.
A primeira é intitulada Grande Babilônia. A segunda, Santa Jerusalém.
Tudo na primeira está associada ao adjetivo grande. Tudo na segunda está associada ao adjetivo santa.
A primeira está relacionada com reis, homens e mercadores. Mas a segunda, é descrita como de Deus.
A visão predominante na primeira é a terra. Na segunda, o céu.
Na visão da primeira, João é levado ao deserto. Na segunda, ele é levado para um grande e alto monte.
A primeira é julgada e condenada. A segunda é medida e honrada!

Como se fossem opostos extremos, colocadas frente a frente para que o apóstolo pudesse ver o quanto uma se opõe a outra e o quanto começam iguais. O apóstolo João representa a Igreja, que no Novo Testamento é chamada de Noiva (Ef 5.25-32). É como se a Noiva estivesse a um passo de se tornar esposa ou meretriz!  

Veja, querido leitor, dois princípios da Grande Babilônia, e permita que o Espírito te convença sobre o quanto é fácil a noiva virar meretriz:

  • Tijolos

O nome Babilônia origina-se de Babel. Texto bíblico onde homens colocaram grandes esforços para se achegarem próximos de Deus. Usavam toda sua capacidade para este objetivo. Para isso, fabricavam tijolos. Usavam meios próprios, capacidades próprias, e a cada tijolo edificado acreditavam que estavam mais próximos de Deus. Resultado: Deus não suportou tal situação e quebrou cada tijolo edificado!



Capacidade humana não te faz se aproximar de Deus. O único caminho para termos acesso ao Senhor ainda é o do Gólgota. Pela obra redentora de seu Filho. Lembre-se que o grande muro que rodeia a Santa Jerusalém é fabricado de jaspe, que não é fabricação humana, é natural, é divina!

Todas as vezes que achamos que estamos pertos de Deus pela nossa capacidade, também edificamos tijolos. Tenho voz bonita e afinada, então posso louvar, isso é tijolo! Tenho certa inteligência, posso pregar, e mais um tijolo edificado!  Oh, amados, tudo que fazemos vem dEle e é por Ele e é para Ele!

  • Capas

A Bíblia dá grande ênfase ao primeiro pecado do povo de Deus na terra prometida. Semelhantemente, também, o primeiro pecado do povo de Deus na Igreja constituída. Acã desobedeceu às ordens e se apoderou dos despojos da batalha de Jericó, escondendo ouro, prata e uma capa babilônica. Ananias e Safira demonstrou a todos presentes que estavam doando tudo que tinham, mas estavam escondendo parte da doação. 

Repare, querido leitor, que em ambos os casos o delito envolve duas atitudes de desobediência. A primeira atitude é a de esconder algo, a segunda é a de transmitir uma imagem que não é verdadeira. Acã em sua capa babilônica transmitia uma imagem de nobreza que ele não tinha, enquanto que o ouro e a prata estavam escondidos. Ananias e Safira, por sua vez, transmitia uma imagem de adoradores e doadores, enquanto que parte do ouro e da prata também estavam escondidos. O resultado em ambos os casos foi a morte! Adulteraram a santidade e transparência de Deus, e viraram meretrizes. Ser o que não é, ou passar uma imagem que não é verdadeira é a mesma coisa que usar capa, uma capa babilônica!

Agora veja, estimado leitor, dois princípios que tinha a Santa Jerusalém, e permita que o Espírito te convença sobre o quanto ele anseia que a noiva vire esposa:

  • Tinha a Glória de Deus

Do hebraico Kadob, que significa PESO. Observe que qualquer peso se dá pela medida do que é exercido do alto pela resistência do que está por baixo. De forma que se o que está em baixo for maior, não há peso medido. Assim é a Glória de Deus. Seu peso é exercido sobre a igreja, que deve corresponder à sua Glória, mas nunca deve ser maior do que o que vem do alto!

Sentir o peso da Glória do Senhor é algo sublime. Só não se esqueça que antes de sentir o peso da Glória, você deve sentir o peso da cruz! Junto do peso da Glória, o peso da responsabilidade, o peso da cobrança...

  • Tinha um grande e alto muro

O grande e alto muro é descrito com 12 portas, 12 anjos, 12 nomes das 12 tribos, 12 nomes dos 12 apóstolos e 12 fundamentos. Veja como a palavra do Senhor é misteriosa e intrigante: no início do livro do Apocalipse o número predominante é o 7. Vemos 7 cartas, 7 anjos, 7 taças... enquanto que no seu final o número que predomina é o 12. Repare que 7 é a soma de 3 e 4... e 12 é o produto de 3 e 4. Uma conta mais forte, mais intensa, a multiplicação. 3 é o número de Deus (Pai, Filho e Espírito Santo) e 4 o número da criação (4 ventos, 4 seres viventes, 4 estações). 12 então representa o próprio Deus sendo multiplicado à sua criação de forma intensa e eterna!

O foco na visão da Santa Jerusalém é no seu muro, pouco se fala de seu interior. O muro separa o que está dentro do que está fora. Será o lugar onde o mal não entrará. No jardim do Édem, o muro era Adão, que foi falho e permitiu que o mal entrasse. A Igreja é o Jardim do Rei, onde não há muro visível. O muro é você! Não podemos deixar o mal entrar!

No muro também há um anjo medidor, que usa como instrumento de medida uma cana de ouro. O ouro na Bíblia representa Deus, pelo seu brilho, pureza e alto valor. Para entrar por esses muros, devemos ser medidos pelo anjo medidor, com a medida do próprio Deus. Não podemos nos sentir confortáveis por sermos mais dedicados que um outro irmão, ou que fazemos mais que um ou outro. Na verdade, a medida é divina. Devemos medir nossa dedicação com a dedicação do próprio Deus, o que fazemos, com o que Ele fez... 

O muro era adornado no seu interior com ouro, seus fundamentos com pedras preciosas e suas portas com pérolas. Uma definição incrível da Triunidade! O ouro representa a obra do Pai, com seu brilho, pureza e alto valor já mencionado. As pérolas representam a obra de Jesus Cristo, pois somente são retiradas pela morte de um marisco. E as pedras preciosas são uma representação do Espírito Santo... são 12 no total, são diferentes uma das outras, mas cada uma tem seu lugar e valor... da mesma forma o Espírito do Senhor opera em nós, produzindo um valor individual em cada um e para cada pessoa, um lugar distinto e diferente!

E por último, o muro tem dimensões iguais em altura, cumprimento e largura. Na Bíblia, somente um lugar tem essas dimensões, o Santo dos Santos, o Santíssimo Lugar, onde a Glória de Deus era manifestada. É este lugar que a Noiva poderá morar, no Santo dos Santos de Deus, onde não há janelas nem luz, mas que é iluminado pelo próprio Deus. Aleluia!

A igreja é a Noiva. Está a um passo de ser Esposa. Mas, se fabricar tijolos e usar capas, poderá virar meretriz! A Igreja está a um passo de ser a Santa Jerusalém, mas pode tomar um rumo errado e virar Grande Babilônia. Oh meu amado leitor, que esta visão esteja em nossos corações para que cada passo dado seja em direção à morada do Altíssimo, à Santa Jerusalém que descerá do céu! O espírito e a noiva dizem: vem. Maranata, ora vem Senhor Jesus!



Fontes de apoio:
Watchaman Nee - A Igreja Gloriosa- Editora Árvore da Vida
Aldery Nelson Rocha, D.D. - Bíblia Revelada Novo Testamento - Ômega

Postagens mais visitadas deste blog

Elias na caverna e as provas do vento, terremoto e fogo.

A ressurreição de Lázaro: o tempo, o silêncio e a pedra

Quem é você na parábola do bom samaritano?