sexta-feira, 20 de junho de 2014

Coração de diamante e o jejum que não agrada a Deus

Coração de diamante e o jejum que não agrada a Deus
Zacarias 7.1-14

 Bp. Erisvaldo Pinheiro Lima
Palavra ministrada em 27 de dezembro de 2013


Aconteceu, no quarto ano do rei Dario, que a palavra do SENHOR veio a Zacarias, no quarto dia do nono mês, que é Quisleu.
Quando o povo enviou Sarezer e Régen-Meleque, e os seus homens, à casa de Deus, para suplicarem o favor do Senhor,
E para dizerem aos sacerdotes, que estavam na casa do Senhor dos Exércitos, e aos profetas: Chorarei eu no quinto mês, fazendo abstinência, como tenho feito por tantos anos?
Então a palavra do Senhor dos Exércitos veio a mim, dizendo:
Fala a todo o povo desta terra, e aos sacerdotes, dizendo: Quando jejuastes, e pranteastes, no quinto e no sétimo mês, durante estes setenta anos, porventura, foi mesmo para mim que jejuastes?

Zacarias 7:1-5
O jejum que não agrada a Deus e o coração de diamante.

Zacarias passou a servir em Jerusalém depois do exílio babilônico. Serviu como profeta e sacerdote. Foi bem recomendado por Neemias (12.16) que o identifica como cabeça da família sacerdotal de Ido. Esdras (5.1) o identifica como profeta que, ao lado de Ageu, animava os judeus na reedificação do templo de Jerusalém.

Todo ministro deixa uma marca de seu ministério. Isaías, ficou marcado por nos deixar o livro profético evangélico. Jeremias, e suas lágrimas pela iminente destruição de Jerusalém. A marca deixada por Zacarias foi a de restauração do templo. Uma reedificação que começou que começou de meros escombros e entulhos e chegou à reedificação do glorioso templo de Jerusalém. Pergunto amado, qual tem sido a marca deixada pelo seu ministério?


  • O jejum que não agrada a Deus

Sarezer e Regém-Meleque foram enviados de Betel para consultar o Senhor em Jerusalém a cerca do jejum. Pela lei mosaica, os judeus deveriam jejuar uma vez por ano, no sétimo mês, por ocasião do Dia da Expiação. Os judeus haviam acrescentados mais um dia de jejum como lembrança à destruição do templo pelas forças de Nabucodonosor. E como agora o templo já havia sido restaurado, eles queriam saber se deveriam continuar com este segundo jejum. A resposta de Deus foi uma pergunta:

"... jejuastes vós para mim, mesmo para mim?" (Zc 7.5b)

Na palavra do Senhor, temos grandes exemplos de servos e servas do Senhor que faziam do jejum uma prática de seu relacionamento com Deus

Moisés, Elias e Jesus - jejuaram por 40 dias.
Davi, Ester e Joel - jejuavam e ainda incentivavam o povo a fazer o mesmo.

Veja que na vida destes vasos do Senhor, o jejum proporcionou frutos honrosos. Mas, os formalistas religiosos usaram o jejum para serem vistos, desfiguravam seus rostos, prática denunciada por Jesus no Sermão  da Montanha.

Afinal, qual é o jejum que agrada a Deus?

Diante da revelação de Deus dada a Zacarias, o profeta prossegue:

"Executai juízo verdadeiro, mostrai piedade e misericórdia cada um a seu irmão."         (Zc 7.9)

O profeta Zacarias inspirado por Deus, deixou claro que a simples abstenção de alimento não pode, por si só, agradar a Deus. O jejum deve ser acompanhado em mostrar piedade e misericórdia ao irmão. Não é apenas sentir, e sim, mostrar piedade e misericórdia.

  • Coração de diamante

Sarezer e Regém-Meleque foram perguntar sobre jejum e Deus os exortou sobre seus corações serem duros como o diamante. Mais preocupados se deveriam jejuar ou não, Deus queria que aqueles homens se preocupassem com seus corações de diamantes!

O diamante é um mineral de incomparável resistência, extremamente duro. Uma ótima analogia nosso Deus nos deixou. Nosso coração, por muitas vezes, tem sido de diamante. Também, nos preocupamos com tantas coisas, e o Senhor nos pede para analisarmos nosso coração de diamante.

O diamante pode riscar todos os outros minerais e somente pode ser polido com seu próprio pó. Nosso coração, através de nossas atitudes também pode sair por aí riscando outras pessoas, deixando marcas positivas ou destrutivas. Mas, assim como o diamante é polido com seu próprio pó, nosso coração é mudado e aperfeiçoado com suas próprias marcas e feridas.

O diamante ao ser lapidado, produz cintilações raríssimas e passa a ter um alto valor. E da mesma forma, se nosso coração for devidamente lapidado, produzirá, não somente o jejum que agrada a Deus, mas também efeitos positivos em outros corações, coisa rara nos dias de hoje.

E, por último, o diamante é formado por carbono cristalizado, algo simples, mas que o homem não pode fabricar. Não podemos mudar nosso coração, mas podemos permitir e buscar que a natureza divina se forme em nós.


Pense nisso...


Jejue sempre, meu amado, mas jejue com o coração desejoso de ser lapidado. Jejue mostrando piedade e misericórdia. 

Que o Senhor venha lapidar seu coração, cada vez mais!


Fonte de apoio:
Bíblia de Estudo Pentecostal
Novo Dicionário da Bíblia - John Davis - Ampliado e Atualizado