terça-feira, 5 de novembro de 2013

Um menino nos nasceu

Um menino nos nasceu para mudar nossa situação de envileceu para enobreceu
                           Envileceu nos primeiros tempos, a terra de Zebulom, e a terra de Naftali; mas nos últimos tempos a enobreceu  ... Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu, e o principado está sobre os seus ombros, e se chamará o seu nome: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz.

Isaías 9:1-6 (trecho)
Bp Erisvaldo Pinheiro Lima 
Palavra ministrada em 03 de Novembro de 2013


Uma das coisas que mais me faz admirar a Palavra do Senhor é essa capacidade que só ela tem de me encher da esperança de mudança. Um sentimento de que a situação vai mudar. Um outro tempo vai iniciar. E a mensagem é sempre de esperança mesmo, pois a mudança é para melhor!

Veja que no texto de Isaías as frases envileceu nos primeiros tempos e mas nos últimos tempos a enobreceu nos transmitem essa esperança de que o tempo vai mudar. Nos primeiros tempos uma situação difícil, mas virão os últimos tempos em que a situação será melhor.

De envileceu a enobreceu

Envilecer significa tornar vil, algo desprezível. Uma descrição que não queremos viver 
Enobreceu significa tornar nobre, glorioso. Uma descrição bem diferente da anterior.

Veja, querido leitor, que as situações são bem diferentes. Uma desprezível e outra gloriosa. A primeira não queremos nem passar perto. A segunda almejamos. A primeira é uma realidade que, por vezes, vivemos. A segunda é uma realidade que, por vezes, vemos tão distante. Mas é a nossa realidade.

Enquanto pecadores somos desprezíveis e envilecidos. E seríamos apenas isso... Mas um menino nos nasceu e um filho se nos deu, e aí está nossa esperança de mudança. Pelo menino que nos nasceu podemos passar do tempo de envileceu para o último tempo de enobreceu!



Como numa escada de provações, primeiro Ele nos envileceu para depois nos enobrecer. Nos diminuiu para nos honrar. Enobrecer é um ato gracioso do filho que se nos deu, pois Ele transforma uns meros plebeus pecadores em nobres cidadãos dos céus!

Para isso, o Senhor age de cinco maneiras distintas

  1. O povo que andava em trevas viu uma grande luz. (v.2)
  2. Os que habitavam na região da sombra da morte resplandeceu a luz. (v.2)
  3. Multiplicaste este povo. (v.3)
  4. A alegria lhe aumentaste; todos se alegrarão perante ti. (v.3)
  5. Quebraste o jugo, a vara que lhe feria e o cetro do seu opressor. (v.4)
Uma obra que somente o menino que nos nasceu poderia fazer. Andávamos em trevas, e Ele interveio em nossa obscuridade como uma grande luz. Habitávamos na região da sombra da morte, e Ele fez resplandecer sua luz. Ele tem multiplicado seu povo, primeiros os judeus, depois os gentios, primeiro você, depois sua casa, sua vizinhança. Não nos chama de tristes, mas Ele aumenta a nossa alegria de forma que contagia os que estão em nosso redor. Quebra todo jugo pesado, pois seu jugo é leve, sara nossas feridas e ainda age contra nosso opressor. Apenas um menino, um filho, que é o Senhor, o Filho de Deus pode fazer essa obra de mudança. Seu nome só poderia ser: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade e Príncipe da Paz.

Maravilhoso: o grande milagre de Jeová, a maravilha do Pai.
Conselheiro: Aquele que tem as palavras de vida eterna é um conselheiro sem igual.
Deus Forte: O irresistível campeão nas batalhas.
Pai da Eternidade: Autor da vida eterna dos redimidos.
Príncipe da Paz: O que tem a SHALOM do SENHOR, a saúde para a alma doente do pecado; um relacionamento forte e sadio entre os pecadores e Deus e entre os pecadores; condição estável de justiça e prosperidade universais prevalecendo no mundo.

Pense nisso...

Permita que O Menino venha nascer em sua vida, saia dos primeiros tempos de envileceu para os últimos tempos de enobrecer. Veja que está no plural, pois essa mudança deve ocorrer várias vezes na sua caminhada cristã.


Que a graça do Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz mude sempre sua vida,


Fonte de apoio:
Comentário Bíblico Moody (Wycliffe Bible Commentary), volume 3, por Charles F Pfeiffer e Evertt F. Harrison