terça-feira, 18 de junho de 2013

De Etã a Pi-Hairote: posturas diante de tribulações

A caminhada do povo de Deus de Etã a Pi-Hairote nos ensina a postura diante das tribulações


Bp Erisvaldo Pinheiro Lima 
Palavra ministrada em 17/06/2013


Êxodo 14:1-14

Uma atmosfera de alegria paira no ar. Deus mostra sua força tirando seu povo da escravidão do Egito. A primeira parada é em Etã, que fica à entrada do deserto. Não dentro do deserto, apenas a sua entrada. E fora do deserto o povo para por algum tempo. Até aqui o povo está tranquilo, nenhuma murmuração ou reclamação, nada disso. Podermos imaginar a satisfação no coração do povo, o Egito ficando pra traz e uma nova jornada de liberdade rumo à uma terra frutífera. Numa hora dessas, Deus estaria sendo louvado e o céu sendo cheio de agradecimentos. Deus é bom.

De Etã, Deus dá uma ordem para que Moisés, seu servo, conduzisse o povo à Pi-Hairote. Pense na alegria geral, mais uma aventura para os ex escravos. Se em Etã estava bom, em Pi-Hairote seria melhor ainda, afinal, era um lugar junto ao mar!  

O povo iria presenciar uma das manifestações mais sublimes do Senhor:  
E o Senhor ia adiante deles, de dia numa coluna de nuvem, para os guiar pelo caminho, e de noite numa coluna de fogo, para os alumiar, para que caminhassem de dia e de noite. (Êx. 13.21)

Um roteiro perfeito. Uma paz perfeita. Tudo tranquilo. Mas... 

O Senhor endureceu o coração de faraó...
A narrativa bíblica mostra toda a fúria de faraó: Seiscentos carros do Egito e seus capitães, contra o povo de Deus. E pela primeira vez na jornada do povo de Deus aparece a palavra perseguição. O povo percebe que está encurralado, sem saída. A diante, o mar, e atras, todo potencial bélico egípcio. A única porta de saída, era mesma porta de entrada, que já estava ocupada pelo exército de faraó.

E o povo clama ao Senhor! Antes disso não há clamor. E o povo murmura. Reclamando, cita cinco vezes o nome Egito, em apenas dois versículos. Saíram do Egito, mas o Egito não havia saído deles. Na primeira tribulação e uma reação tão desesperadora.

Querido leitor, aqui nós temos duas alternativas. A primeira é olhar pra este obstinado povo e listar suas falhas e fraquezas, atirando a pedra de acusação. Ou podemos parar para pensar que se trata da história do povo de Deus, que somos, também, povo de Deus, portanto, nossa própria história. Recolhendo a pedra da acusação, e deixando a Palavra quebrar a pedra de nossos corações, com o reconhecimento de que também, fizemos o mesmo.

Deus nos tirou do Egito, onde não fazíamos o que queríamos, mas éramos dominados pelo pecado. Mas Deus nos resgatou, vimos sua bondade e proteção, mas quando a tribulação chega... e, não esperávamos isso? E não era pra ser assim? E Deus já não é mais tão engradecido? Na verdade, precisamos passar pela tribulação, pois foi nela, que o povo de Deus se mostrou tão necessitado do tratamento de Deus. Reconheço, querido, que sou tão necessitado dos tratamentos dEle!

Pi-Hairote nos traz esta reflexão. É o lugar onde o planejado seria perfeito, mas chega a inesperada tribulação. Deus já te levou a Pi-Hairote?

Pi-Hairote é o lugar onde muitos se perguntam por quê? 

A resposta de Deus dada a Moisés me consola muito:
Não temais; estai quietos e vede o livramento do Senhor, que hoje vos fará... O Senhor pelejará por vós, e vos calareis (14.14)

A tribulação do povo de Deus em Pi-Hairote ensina três lições:


  • Na tribulação Deus testa seu povo. Não para Ele nos conhecer, mas para nós mesmos nos conhecermos e vermos o quanto precisamos de sua misericórdia. Lembre-se que antes da tribulação o povo de Deus não falou do Egito, e, muito menos, clamou ao Senhor. 
  • Na tribulação Deus mostra sua glória. Não havia saída para o povo de Deus. Mas, Deus cria saída onde não há! No meio do mar, o povo prossegue a jornada. E o mesmo mar que era o fim da caminhada do povo de Deus, foi o fim para os seus inimigos. Passas por tribulação, querido, não temas e estai quieto que o Senhor pelejará por você, e tu verás a glória de Deus, Aleluia!
  • A tribulação é o início do cumprimento da promessa. Esta tribulação em Pi-Hairote marca o início do cumprimento da promessa do Senhor de levar seu povo à terra que emana leite e mel. Não temas, querido, pois a tribulação poderá ser em sua vida o início da realização da promessa.

Pense nisso...

Passar por momentos atribulados não é fácil. São momentos em mostramos quem realmente somos. Guardo para estes momentos dois conselhos e duas promessas que o Senhor faz em sua bendita palavra (II Cor 4.8-9):
  • Atribulados, mas não angustiados.
  • Perplexo, mas não desanimado.
Guarde esses conselhos. Não fique angustiado e desanimado. Não pare sua jornada. Deus vai abrir portas impossíveis para você continuar a marcha. É Ele que peleja por você.
  • Perseguido, mas não desamparado.
  • Abatido, mas não destruído.
Guarde essas duas promessas. Perseguições virão, mas você nunca ficará desamparado. Você até chegar o ponto de se achar abatido, mas nunca destruído. 

Encerro repetindo a resposta que o Senhor deu ao seu povo, por intermédio de Moisés, seu servo (que poderá ser a sua resposta também, você crê? eu creio):

Não temais; estai quietos e vede o livramento do Senhor, que hoje vos fará... O Senhor pelejará por vós, e vos calareis (14.14)

Que a proteção do Senhor esteja contigo,